Onde investir e alocar recursos na empresa?

Para onde vai o dinheiro que está sendo injetado em sua empresa? É evidente que uma companhia precisa de investimentos para crescer, mas você sabe onde investir?

Os investimentos são a chave da multiplicação do patrimônio. Já a alocação pode ser uma técnica poderosa para impulsionar esses investimentos. No post de hoje, você vai entender o que tudo isso significa. Acompanhe!

Qual a diferença entre investir e alocar?

Investir é realizar um gasto com objetivo de multiplicação de patrimônio. Alocar recursos diz respeito às áreas em que esses investimentos serão feitos. Alocação, portanto, é uma estratégia de gestão de investimentos.

Por que investir?

Um negócio lucra com os rendimentos dos trabalhos que executa, como a venda de produtos ou prestação de serviços. Entretanto, o patrimônio da empresa não pode depender somente disso. 

É essencial que uma organização tenha ativos financeiros no seu portfólio para gerar renda passiva — aquela renda que é adquirida somente com frutos do investimento, sem que seja preciso trabalhar por ela.

Além disso, para manter um quadro financeiro saudável e crescer, uma empresa deve também investir em melhorias contínuas.

Por que alocar?

Como mencionamos, alocar é uma estratégia. Ela busca o equilíbrio e aumento da probabilidade de rentabilidade, por meio da diversificação de investimentos e da atribuição de um peso a cada um deles.

Imagine que sua empresa tem R$ 100 mil para investir em títulos públicos, ações, comprar dólares e adquirir tecnologia para alavancar a produção.

Com o apoio de um consultor, você vai, por exemplo, atribuir um peso 3 aos investimentos com maior chance de lucro ou às áreas mais necessitadas, e peso 1 aos mais arriscados ou áreas que podem esperar um pouco mais.

Este é apenas um exemplo. Não há uma fórmula aplicável a todos os casos. Somente uma análise e consultoria especializada podem encontrar a melhor maneira de alocar investimentos.

Mas você já deve ter conseguido compreender por que a estratégia se chama “alocar”. Essa palavra vem do latim “locare“, que significa “lugar”. Alocar nada mais é que escolher o lugar mais propício para fazer um investimento. 

Afinal, onde investir e alocar?

Renda fixa

O título de renda fixa é aquele em que, ao comprá-lo, o investidor já tem uma noção relativamente precisa de quanto renderá, se resgatado no prazo acordado.

São os investimentos considerados mais seguros. A rentabilidade é limitada, mas isso é compensado pelo baixo risco. Portanto, é importante ter esse tipo de ativo.

Os mais conhecidos são:

  • títulos públicos do Tesouro Direto;
  • cadernetas de poupança;
  • certificados de Depósito Bancário;
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Fundos DI.

Renda variável

Nos investimentos em renda variável, não é possível prever a rentabilidade. É o caso das ações, fundos multimercado, fundos imobiliários, câmbio, entre outros, onde os juros podem chegar a ser negativos, ou seja, pode ser perdido parte do capital inicialmente investido.

Essa modalidade é mais arriscada, contudo, suas chances de rentabilidade são ilimitadas. O risco pode ser balanceado com investimentos em renda fixa.

É o caso das:

  • ações;
  • fundos multimercado;
  • fundos imobiliários;
  • câmbio.

Capital de giro

O capital de giro é a reserva financeira da empresa para custear operações de curto e médio prazo. Ele existe para evitar que a organização se endivide ou precise recorrer aos lucros, em situações imprevistas. É interessante alocar um pouco do investimento no aumento do capital de giro. 

Pode não parecer investimento, já que, em tese, não gerará lucros. Porém, a longo prazo, ter capital de giro suficiente para suportar emergências garantirá a liquidez da empresa. 

Inovação

Inovação tem sido palavra de ordem na economia e empreendedorismo modernos. Quem não se atentar a isso perderá espaço no mercado.

Inovar não necessariamente significa adquirir tecnologia, embora seja de enorme importância. A inovação pode se dar na melhoria dos processos, modernização do produto ou incrementação do serviço. Não há limites! Inovar é, justamente, ser criativo e surpreender o cliente.

Ao decidir onde investir e alocar recursos, o risco e peso de cada modalidade de investimento serão determinados mediante análise e estudo da situação da empresa. Por isso, esteja sempre em busca de informação e busque apoio! Compartilhe nosso post nas suas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso!

Comments (4)

  1. […] Os prejuízos vão além. O acesso a processos de licitação abertos por órgãos públicos pode ser limitado ou inviabilizado por completo, reduzindo a capacidade da empresa de realizar negócios. Isso também inclui a aquisição de empréstimos e financiamentos em instituições públicas ou linhas de crédito privadas com o apoio do governo, reduzindo a liquidez financeira do empreendimento e a sua capacidade de alavancar investimentos. […]

  2. […] desnecessários, o que gera mais retorno para a empresa. O valor economizado pode ser usado como investimento, o que só contribui para o crescimento do […]

  3. […] o gestor deve continuar a motivar os colaboradores a eliminarem as rotinas que geram perda de tempo e […]

  4. […] de apoio ao gestor, tanto para a segurança e a transparência do negócio quanto para uma tomada de decisões mais […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This